You are currently viewing O momento da energia solar: entenda os motivos que estão levando diversas empresas a aderirem ao sistema

Muito antes de janeiro começar o ano já aquecia diversas movimentações no mercado financeiro e econômico do país. O segmento de energia solar fotovoltaica não escapou dessas transformações. Agora é oficial, a Lei nº14.300/22 sancionada no começo do ano estabelece um marco legal da geração própria de energia, microgeração e minigeração distribuída.

Em outras palavras, significa que os consumidores que produzem a própria energia agora passarão a pagar tarifas como um pedaço da componente TUSD Fio B (Tarifa de Uso do Sistema de Distribuição), sobre a energia produzida. A medida era uma das mais aguardadas por especialistas do setor que acreditam precisar desta formalidade para garantir mais segurança jurídica a esse nicho de mercado.

Um país que atingiu o feito de 600 mil sistemas de energia solar instalados no ano passado, tem tudo para continuar investindo no setor, especialmente porque “o momento ideal é agora”.

Hoje é possível afirmar: nove a cada dez cidades do Brasil já possuem energia solar, segundo dados da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica e do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Sendo assim, dos 5.570 municípios do país, apenas 350 ainda não aderiram ao sistema. Isso representa 93,7% do total do país, um salto significante de 613 em 2016 para 5.220 em 2021.

Desse modo, estudiosos da área estão otimistas e afirmam que o marco legal trará mais segurança, contribuirá para o melhor funcionamento do setor elétrico além de ser fundamental para reduzir custos de energia para toda a sociedade. E o mais importante: de forma saudável e justa.

Com tudo o que tem acontecido na legislação, o momento de investir em energia solar é agora. Por isso, se você ainda estava em dúvida, saiba que 2022 será o ano. Afinal, aqueles que aderirem ao sistema fotovoltaico ainda neste ano enviando seu pedido de conexão na concessionária até 07/01//2023, estarão isentos das taxações instauradas pela nova Lei até 2045. Última chance de não pagar as taxas pelos próximos 23 anos.

São décadas sem custos além do investimento que possui retorno em médio/curto prazo e com uma economia imediata de até 95% no valor da conta de luz. Manutenção mínima e uma opção sustentável, 100% limpa e renovável, a tendência que tem englobado cada vez mais empresas de variados segmentos. Isso porque desejam fugir das taxas instáveis da energia tradicional.

Visto por muitos como o maior destaque do país quando o assunto é geração de energia solar, o estado de Minas Gerais investe pesado no setor. Tanto que, ao final de 2021, já bateu uma meta que era prevista apenas para o final de 2022, alcançou a marca histórica de 2 gigawatts (GW) em operação por fonte solar.

Além de tudo, o estado de Minas Gerais é considerado líder no ranking brasileiro do segmento, já ultrapassa a marca de 136 mil unidades consumidoras e 100 mil sistemas fotovoltaicos operando na modalidade de geração distribuída (GD).

Deixe um comentário